15 February, 2018 by

Quando criança eu sonhava ser Policial Militar, usar fardas, andar em viaturas e prender criminosos. 

Além disso, eu sonhava com as solenidades militares, ouvir a banda de música da PM tocar os hinos e canções militares.

Ao ouvir a Canção do Expedicionário, concluía que esse sonho não era apenas meu. Aprendi que em qualquer canto da Terra eu e mais um exército estaríamos prontos para combater com a garra pra vencer e voltar pra casa a salvo, comemorando cada vitória.

Um dia ouvi pela primeira vez a canção Fibra de Herói.

Nesta época eu já era parte de uma corporação, aliás, da melhor corporação. Eu já era Soldado Aluno na 105ª Cia ET no 4º BPM da PMMG, em Uberaba-MG.  

Sempre que ouvia esta canção eu me sentia mais forte...”com ânimo forte, se for preciso enfrento a morte”. Um sentimento que era vivido por outros soldados, cabos, sargentos e oficiais, todos guerreiros.  O senso de justiça nos era despertado ao ouvirmos: “bandeira do Brasil, ninguém te manchará. Teu povo varonil, isso não consentirá”. Isso nos despertava a vontade de honrar o manto da nação a qual passaríamos a defender: ”Bandeira idolatrada, altiva a tremular, onde a liberdade é mais uma estrela a brilhar”.

Eu já era policial militar. Eu já tinha conquistado o meu sonho. Eu já era filho de Minas, eu já fazia parte da Instituição que lutava anos e anos pelas doutrinas tão sonhadas. 

Eu já era uma outra geração dos patrícios desassombrados. Eu já enxergava e tinha convicção que era aquilo que eu queria. Eu já seguia os passos de muitos heróis, que pra mim eram referência.  Eu sabia que dar segurança à sociedade era a minha missão. Sabia que assim como eu, muitos também pensavam assim e juntos seguiríamos  para levar a cada lar mineiro a paz, "a paz das Minas Gerais".

Incorporei a alma militar.  

Descendente do bravo Alferes Tiradentes, eu tinha no sangue a nobre herança  e toda a pujança dos conjurados. Forte, com fibra de herói, continuaria seguindo os passos dos heróis, que sempre nos deram segurança. E eu já tinha recebido a missão de ser como eles.

Por muitos somos odiados mas por outros somos a aurora, a luz da esperança, a luz da felicidade, da paz e da liberdade. Muito me orgulha ser Policial Militar, muito mais me orgulha ser filho de Policial Militar. 

“Por isso honremos nossos varões , pelas ações já consagrados. Forte marchemos, eia soldados.” Conclui que o meu sonho foi despertado no ventre de minha mãe, que dormia sempre preocupada se papai estava bem. Foi despertado ao ouvir a banda de música da PMMG tocar as canções militares. Despertou mais ainda ao ver meus pais felizes ao saberem que tinha ingressado na Gloriosa Policia Militar de Minas Gerais.

Conclui também, que a minha missão é proporcionar a tão sonhada paz social e combater sempre com Fibra de Herói, de gente brava.